Wild Card – Cowboys x Seahawks: o que esperar do confronto entre as equipes?

Por Paulo Sérgio – Seahawks e Cowboys farão um jogo equilibrado no Wild Card da NFC. Ambos os times tiveram uma temporada acima das expectativas e surpreendente. Seattle, que em tese teria um ano de reconstrução, teve 10 vitórias e seis derrotas. Os Cowboys venceram a divisão Leste também com 10-6, sendo que estava longe de ser o favorito.

As equipes têm características semelhantes, e o jogo no Texas responderá quem saberá usar melhor suas virtudes e ter sucesso sobre as fraquezas do adversário. Portanto, para entender as semelhanças dos times, é importante enfatizar que ambos têm uma defesa explosiva e que vence jogos.

As defesas: as razões do sucesso na temporada

Em pontos por jogo, a defesa dos Cowboys aparece como a sexta melhor (20,2) e a dos Seahawks como a 11ª (21,7). Isso mostra que, se os ataques conseguirem ser eficientes e anotar pontos, as defesas são capazes de garantir vitórias sofrendo poucos pontos.

Calouro Vander Esch tem impressionado na defesa (Foto: Instagram/Cowboys)

Dallas sofreu mais que 30 pontos em uma única partida, apenas na semana 17 contra os Giants, justamente quando parte dos titulares estavam sendo poupados. Seattle sofreu essa margem nos dois jogos contra os Rams e na vitória diante os Chiefs. Ou seja, não é de costume das equipes cederem uma pontuação alta ao adversário.

O que chama atenção é a fragilidade dos Seahawks em jardas cedidas por partida. Cowboys são o sétimo time nesse quesito, enquanto o adversário de sábado é apenas o 16º. Em contrapartida, Seattle se mostra muito eficiente na red zone, o que acaba ofuscando o número de jardas cedidas em alguns jogos.

A fortaleza da equipe do Texas está no forte grupo do sistema. Em todos setores há jogadores capazes de derrubar um ataque poderoso e criativo, assim como fizeram com os Saints de Drew Brees. Pass rush funciona, os LBs são eficientes em blitzes e protegendo o meio da defesa, e na secundária não há pontos fracos.

Pelo lado da franquia do Oeste, o grande responsável pelo sucesso é Pete Carroll. O Head Coach perdeu a fantástica “Legion Of Boom” e nomes preciosos como Malcolm Smith, Michael Bennett e entre outros, e mesmo assim conseguiu remodelar o sistema e o tornar competitivo novamente.

Carroll trabalhou durante sua carreira inteira com sistemas de defesa. No College e na NFL, ele foi coordenador de secundária, de defensive backs e coordenador de defesa por várias ocasiões. Seu primeiro trabalho de sucesso como Head Coach na NFL é justamente com os Seahawks, onde formou uma das defesas mais memoráveis da história.

Portanto, o embate entre os sistemas defensivos chamará a atenção. O sucesso na partida será determinante para a vitória de um dos lados.

Técnico Pete Carroll tenta manter o time nos trilhos (Foto: Instagram/Seahawks)

Os ataques: quais são as fraquezas e as virtudes?

Ambos os ataques têm fraquezas. Pelo lado dos Seahawks, a linha ofensiva tem sido problema há anos, algo que foi suavizado nesta temporada. Russell Wilson tem sofrido com sacks e falta de tempo no pocket, o que atrapalha seu trabalho. Mesmo que tenha mostrado evolução, o embate entre a linha ofensiva de Seattle contra a forte defesa dos Cowboys ainda é um fator.

Pelos Cowboys, a fraqueza parece vir de Dak Prescott. O quarterback não é ruim, mas ainda é inconsistente e oscila. Durante a temporada, Prescott teve ótimos jogos e outros horríveis, o que mostra toda sua instabilidade. Além do mais, o QB se mostrou ineficiente em janelas curtas e em várias situações errou passes que não deveria. Em um jogo de playoffs, devemos ficar ligados em qual Dak Prescott estará em campo.

O outro lado da moeda é claro. A virtude de ambos é o jogo terrestre. Ezekiel Elliott teve 1434 jardas terrestres na temporada, liderando a NFL no quesito. Chris Carson obteve 1151, ficando em quinto no ranking. Em contexto geral, Seattle liderou a NFL em jardas pelo chão, muito por conta de ter também Russell Wilson como ameaça e ótimos running backs para rotação, assim como Rashaad Penny e Mike Davis.

Em resumo, ambos os times têm um jogo terrestre capaz de destruir sistemas de defesas, como Elliott faz. O Running back teve inúmeras partidas para +100 jardas na temporada. O outro lado tem um ótimo RB como Chris Carson e um QB que é um dos melhores da liga correndo com a bola, o que faz a variedade do ataque ser gigantesca. As virtudes das equipes são parecidas.

Portanto, com defesas tão semelhantes e eficientes, os talentos do ataque que devem desequilibrar na partida, que promete ser de poucos pontos. Russell Wilson e Ezekiel Elliott são os principais jogadores de seus times, e eles serão essenciais para a vitória de um dos lados.

O jogo será neste sábado (05), às 23h15, no AT&T Stadium, no Texas.

Ronaldo Barreto

Jornalista formado desde 2016, mas já trabalhava na área desde 2010, quando comecei em uma rádio comunitária em Guarulhos. Fui repórter (estagiário) na Federação Paulista de Futebol (FPF) e no site do jornal Diário de S. Paulo. Neste último, fui efetivado em 2016 e passei a ser o responsável por todo o conteúdo do portal do veículo em 2017, além das redes sociais. Com o intuito de fazer o futebol americano crescer ainda mais no Brasil, criei a página NFL à Brasileira, que se expandiu para este site de notícias sobre o esporte. Além da escrita, sou muito ligado à fotografia, principalmente de esportes.

%d blogueiros gostam disto: