Indianapolis Colts e os fatores para a evolução na temporada

Paulo Sérgio – O Indianapolis Colts começou a temporada com uma campanha de uma vitória e cinco derrotas. Nesse cenário, poucos times conseguem uma reviravolta e chegar até a pós-temporada. Contudo, mesmo se não for à fase de mata-mata, os Colts mostraram uma evolução animadora para as próximas temporadas.

MAIS: Brasileiro Duzão, ex-Galo FA, disputa chance de jogar na NFL

Atualmente, na semana 15 da NFL, os Colts estão com um recorde 8-6 e sonhando com uma vaga de Wild Card. Ou seja, desde o começo 1-5, os Colts embalaram uma sequência de sete vitórias e uma derrota, sendo a única derrota nesse período para os Jaguars.

Há inúmeros fatores para uma evolução tão gigantesca com essa:

  • Frank Reich mostra potencial já em sua primeira temporada como Head Coach

Frank Reich foi o coordenador ofensivo de Philadelphia na campanha dos Eagles até o título do Super Bowl da temporada passada. Com ele no comando do ataque, a equipe de Philly foi o sétimo melhor time em média de jardas totais por jogo. Foi também o terceiro em pontos por jogo.

O ataque criativo e versátil foi fundamental para o primeiro título da franquia. Seja com Nick Foles ou Carson Wentz, a equipe tinha diversas variáveis para vencer, inclusive como fez nos playoffs. O playbook de jogadas abriu um leque para se sobrepor ao número de jogadores titulares contundidos.

Em Indianapolis, Reich já provou seu poder de montar bons sistemas ofensivos. Ele está em sua temporada de “calouro” como treinador principal, e desde já conseguiu fazer de um time em pedaços algo valioso. A combinação Frank Reich e Andrew Luck tem tudo para levar os Colts de volta ao topo no futuro.

  • A linha ofensiva deixa tudo limpo

Em especial contra o Dallas Cowboys, defesa que já se provou uma das melhores da NFL nesta atual temporada, Andrew Luck não sofreu nenhum sack e, consequentemente, não teve turnovers. O sucesso do quarterback dos Colts se passa pela proteção recebida.

Além do mais, o running back Marlon Mack teve 139 jardas em 27 carregadas, o que prova que bloqueios e proteção da linha ofensiva faz o jogo terrestre e aéreo ter um brilho especial. O corredor dos Colts anotou os dois touchdowns da vitória deste domingo (16).

Portanto, o trabalho impecável da linha ofensiva permite que os talentos apareçam. Os jogadores que nunca tocam na bola são os responsáveis pelo caminhar limpo do time ofensivo. A adição do guard Quenton Nelson foi um dos fatores que fizeram a linha evoluir muito de um ano para o outro.

  • Andrew Luck está saudável e com tudo a seu favor

Desde que chegou na NFL no draft de 2012, Andrew Luck não consegue se manter saudável por muito tempo. As inúmeras lesões atrapalharam a carreira de um quarterback muito talentoso.

Entretanto, depois de perder a temporada passada, o camisa 12 dos Colts se mantém inteiro nesta atual. O jogador já provou seu valor ao conduzir seu time até as finais de conferência da temporada 2014, derrotando, inclusive, o Denver Broncos de Peyton Manning, fora de casa no frio do Colorado.

TY Hilton sempre se destaca no jogo aéreo. Em sete temporadas na NFL, passou de mil jardas em recepções em 6. Nas outras, ficou bem próximo da marca. (Foto: Instagram/Colts)

Saudável, com um bom Head Coach e uma linha ofensiva que o protege, Luck está conseguindo jogar em um nível muito elevado. Colocá-lo entre os cinco na briga por MVP não é absurdo a esse ponto do ano, já que o quarterback vem sendo um dos jogadores mais valiosos da liga para sua equipe.

  •  O jogo terrestre vem evoluindo

Como já mencionado, Marlon Mack teve uma partida impecável contra os Cowboys. Um jogo terrestre eficiente é determinante para o sucesso de um ataque. Estar em situações de terceira para duas jardas é o sonho de qualquer quarterback, e Andrew Luck tem sido colocado com frequência em terceiras para poucas jardas.

Além de deixar o trabalho aéreo mais confortável, o jogo terrestre garante pontos e destrói sistemas de defesas. E foi isso que aconteceu contra a franquia de Dallas no último jogo.

A evolução dos Colts depende de um jogo terrestre consistente. Esse quesito do ataque ainda está evoluindo e oscila, mas é animador saber que Andrew Luck pode ter mais um auxilio em seu sistema de ataque.

  • A defesa merece menção

Por último, não adiantaria muito toda essa evolução ofensiva sem uma defesa que acompanhasse.

Nos seis primeiros jogos, os Colts tiveram quatro partidas sofrendo mais que 30 pontos. Durante a reação na temporada de sete vitórias e apenas uma derrota nos últimos oito jogos, o time não teve nenhuma partida passando da margem de 30 pontos sofrido.

O ápice dessa evolução na defesa foi limitar o ataque dos Cowboys a zero pontos. Foi uma interceptação e três sacks em Dak Prescott, mas o que mais chama a atenção é a grande partida contra quartas descidas e na red zone. Os Colts foram impecáveis nesses quesitos.

Além do mais, Ezekiel Elliott teve “apenas” 87 jardas, o que é raro nessa temporada, já que ele ultrapassa as 100 jardas na maioria dos jogos, e Prescott lançou para 206 jardas. O sucesso da defesa em parar Amari Cooper também deve ser mencionado, já que o WR teve miseras 11 jardas recebidas.

Para chegar aos playoffs, o Indianapolis Colts terá que vencer o New York Giants e o rival de divisão Tennessee Titans nas últimas duas semanas. Se continuar com o ritmo apresentado nos últimos jogos, as chances são reais de ir para a pós-temporada.

%d blogueiros gostam disto: